Blog Dinheiro em Casa Blog Dinheiro em Casa

Junte-se a Nós!

Receba por E-mail os Artigos do Blog e Aprenda a Ganhar Dinheiro em Casa.

Você é deficiente? Saiba como ganhar dinheiro em casa sendo assistente virtual

Você é deficiente? Saiba como ganhar dinheiro em casa sendo assistente virtual

Você é deficiente? Saiba como ganhar dinheiro em casa sendo assistente virtual


Como ganhar dinheiro em casa como assistente virtual? A resposta para essa pergunta pode ser uma ótima alternativa para sair do desemprego, burlar a crise econômica, se livrar da lei de cotas e ainda ter um negócio próprio.

Você já pensou em trabalhar como assistente virtual? Neste texto você conhecerá, um pouco mais dessa profissão e as possibilidades de como ganhar dinheiro em casa com esse trabalho que está, cada vez mais, em alta no Brasil.

Não deixe de ler ao final do texto a dica de ouro para se profissionalizar nessa área.

Você e eu sabemos que a tendência das empresas de todos os setores é terceirizar as funções que não estejam propriamente ligadas à sua atividade fim.

Sinceramente não vou entrar no mérito se isso é bom ou ruim, se é justo ou injusto, pois o foco do texto não é esse.

O fato é que isso é uma realidade e, para nos mantermos em pé, precisamos nos adaptar, pois vivemos em uma era de mudanças rápidas e constantes, então eu penso que lamentar não seja a melhor estratégia.

Você e eu sabemos, também, que as empresas, depois de tanto tempo, mesmo com a lei de cotas, ainda não estão preparadas para receber a maioria dos profissionais com deficiência que estão disponíveis no mercado.

É sempre o mesmo discurso:

  1. A pessoa com deficiência não quer deixar os benefícios oferecidos pelo governo para trabalhar;
  2. Os profissionais com deficiência não estão plenamente capacitados;
  3. Promover mobilidade e ambientes plenamente acessíveis é muito dispendioso;
  4. E blábláblá...
Mas, deixando a nossa deficiência um pouco de lado, precisamos admitir uma coisa: para uma empresa contratar um funcionário, seja deficiente ou não, é muito custoso. O nosso Código de Leis Trabalhistas não está entre os melhores, os mais modernos ou os mais eficazes.

É nesse momento que novas alternativas surgem, tanto para empresas como para os trabalhadores, pois a roda precisa continuar girando e a vida acontecendo.

Precisamos, a todo momento, nos reinventar para termos uma vida de trabalho plena e satisfatória. E, para nós que temos algum tipo de deficiência, sempre precisamos buscar alternativas não somente ao desemprego, mas também para a falta de acessibilidade das cidades e do transporte público, para o preconceito e tantas outras coisas que temos como desafios diários.

Então, oportunidades de como ganhar dinheiro em casa são bem atrativas aos nossos olhos, não é mesmo?  E a atividade de assistente virtual pode ser uma alternativa bem viável.

Mas o que é um assistente virtual?

Um assistente virtual, ou secretária remota, é o profissional que oferece serviços administrativos ou técnicos para outros profissionais que não disponibilizam de tempo ou não querem ter um profissional em tempo integral para executar atividades como elaboração de relatórios, administração de e-mails ou gestão de conferencias online, entre centenas de outras atividades.

Esse profissional, na maioria das vezes, trabalha de forma remota, isso quer dizer que ele não fica alocado na empresa do cliente, mas trabalha home office, ou seja, essa é uma daquelas tantas atividades existentes atualmente que nos leva a nos perguntar se essa seria uma boa oportunidade de como ganhar dinheiro em casa.

Mas, quais as principais atividades de um assistente virtual?

Como já disse anteriormente, a profissão de assistente é uma oportunidade de como ganhar dinheiro em casa, pois ele permite que o profissional desempenhe suas atividades remotamente e para que isso seja possível precisa apenas que ele tenha algumas habilidades em:

Ø  Pesquisar e compilar relatórios executivos;
Ø  Realizar tarefas pessoalmente;
Ø  Fluência escrita e falada em idiomas;
Ø  Criação de apresentações virtuais;
Ø  Criação e gestão de contas em redes sociais;
Ø  Habilidade em plataformas como Skype ou Hangouts;
Ø  Disponibilidade para realizar conferências telefônicas durante o horário de expediente;
Ø  Elaboração de pesquisas e estudos de mercado;
Ø  Gestão de correios eletrônicos;
Ø  Inserção de informação em banco de dados;
Ø  Organização de agendas;
Ø  Organização de arquivos digitais;
Ø  Processamento de textos;
Ø  Proficiência em plataformas baseadas em nuvem;
Ø  Reservas online de passagens e hospedagens.

Se você tem uma dessas habilidade ou pelo menos gosta dessa área, saiba que já pode dar o primeiro passo rumo a uma boa oportunidade de trabalho e renda a partir de casa.

Claro que dependendo do trabalho e clientes contratados, eventualmente você precisará fazer algum tipo de deslocamento, mas a grande maioria das atividades será feita de forma remota.

E como ganhar dinheiro em casa sendo um ótimo assistente virtual?

Tudo o que fazemos na vida requer aprendizado constante. Sempre temos um ponto de melhoria para ser desenvolvida seja na área pessoal ou profissional e para área de assistente virtual não é diferente.

Talvez você ainda não saiba executar todas a atividades acima citadas, mas para falar a verdade não é necessário que saiba tudo de imediato e também isso vai depender da sua área de atuação e do porte dos seus clientes.

Mas, para dar os primeiros passos de como ganhar dinheiro em casa sendo um ótimo assistente virtual entenda que será necessário o seguinte:

➔ Ter habilidades interpessoais bem desenvolvidas, pois construir relacionamentos nessa atividade será importantíssimo até mesmo para conseguir mais clientes.

➔ Habilidades de comunicação será outra coisa necessária, pois você irá lidar com pessoas de todos os tipos com culturas, escolaridades e hierarquias diferentes. Então, saber se comunicar tanto de forma escrita e falada será imprescindível.

➔ Em tempos de tecnologia não ser fera em informática em todas as áreas é quase um crime capital, então ter boas habilidades de informática e conhecer ferramentas como Word, Excel, PowerPoint e ferramentas de gestão de e-mail como Outlook é fator primário para dar início nas atividades.

➔ Também em era de tecnologia, informação e conhecimento ter as habilidades de internet para lidar com pesquisas de mercado, gestão de redes sociais ou a comunicação com os clientes dos seus clientes será outra característica indispensável.

👉 Dica

Como pode perceber, a profissão de assistente virtual engloba uma série de atividades e áreas de conhecimento, o que torna a coisa mais dinâmica e desafiadora, mas também traz para perto uma boa possibilidade de como ganhar dinheiro em casa.

Mas talvez, mesmo tendo gostado dessa oportunidade, você ainda traga alguma preocupação se tem mesmo as habilidades necessárias para dar o primeiro passo.

Não se preocupe, pois, essas questões são normais, porém pense que se leu esse artigo até aqui é porque você deseja ter uma vida diferente da que está levando atualmente, acertei?
Então, não foque nas habilidades que você ainda não tem ou nas que não estão plenamente desenvolvidas.

Pense no que pode ser feito para o seu pleno desenvolvimento e você poder trabalhar, a partir da sua casa, sem precisar passar por processos seletivos desgastantes ou transporte público lotados e sem a acessibilidade desejada além de não precisar depender de benefícios do governo que mal garantem o básico.

Por isso quero te apresentar o e-book Como me tornar uma Secretária Remota?

Este e-book foi desenvolvido por Nilza Sales, empresária e consultora de negócios, especialista em empreendedorismo e pela Unicamp.

Nele você encontrará um passo a passo para transformar a experiência administrativa em um negócio próprio rentável, pois ele contém tudo o que você precisa saber para dar início a essa nova atividade que vem ganhando muito espaço no mercado brasileiro.

Então, desejo que você tire essa ideia do papel e comece AGORA a empreender neste novo modelo de NEGÓCIO e, a partir daí, seja mais e mais independente tanto em mobilidade, profissionalmente e financeiramente.

Espero que tenha gostado dessa dica e que comece hoje a dar os passos necessários para a sua liberdade.

Se alguma coisa que eu disse fez sentido para você, me ajude compartilhando esse texto com outras pessoas e deixe seu comentário para que eu saiba se realmente consegui te ajudar, ok?

Ahh! Antes de sair do blog, você pode ver o texto anterior, onde falei dos 3 Motivos para ter um trabalho em casa e não depender da lei de cotas. Espero que goste deste texto também! 👍

Forte abraço! 😏

3 Motivos para ter um trabalho em casa e não depender da lei de cotas

3 Motivos para ter um trabalho em casa e não depender da lei de cotas

3 MOTIVOS PARA TER UM TRABALHO EM CASA E NÃO 

DEPENDER DA LEI DE COTAS


De acordo com estudiosos do empreendedorismo, ter trabalho em casa pode ser a melhor alternativa para a pessoa com deficiência

Estamos passando por um momento político e econômico extremamente desafiador e que tem deixando muita gente apreensiva, desmotivada e também com medo.

Contudo, na outra ponta, temos cenários de extrema esperança quando vemos que a criação de novos negócios cresceu mais de 16% de janeiro de 2017 até agora, como aponta o Portal Brasil.

Ou seja, estamos vivendo um paradoxo? Enquanto uns choram outros vendem lenços?

Eh! Parece que é isso mesmo!

Em um cenário com mais de 14 milhões de pessoas desempregadas, vemos outras tantas pessoas batalhando, se posicionando e não se rendendo à crise que persiste e que não sabemos até a onde vai.

Essa é a única solução para esse momento, alguns poderão dizer. Mas, eu sou do time que entende que o empreendedorismo não é a solução apenas para esse momento, mas para toda a reestruturação econômica de uma nação.

Basta ver que, países desenvolvidos tem uma cultura empreendedora muito estruturada e incentivada, com pouca interferência do governo que, na maioria das vezes, só atrapalha.

Mas, neste texto eu quero focar no positivo, pois não gosto de vibrar crise e prefiro sempre manter a esperança acesa.

Então, diante disso eu pergunto:

E nós, pessoas com deficiência, o que estamos fazendo? Será que nesse cenário de criação de novos negócios têm deficientes procurando também seu lugarzinho à sombra?

Eu acredito que sim. Por isso, resolvi escrever os motivos porque acredito que, nós deficientes, não podemos perder de vista a possibilidade de empreender e ter o nosso próprio negócio.

Talvez você tenha mais experiência nisso, então, ao final do texto, deixe seu comentário dizendo se isso faz sentido e se você tem mais razões que motivem as pessoas com deficiência a terem seu próprio negócio, mesmo começando com um simples trabalho em casa, ok?

1. O mundo do emprego formal ainda não está preparado para receber o profissional com deficiência


Não é de hoje que, você e eu, sabemos que a maioria das empresas possuem um enorme despreparo quando o assunto é a contratação de pessoas com deficiência. Isso sem falar a falta de votante e o único desejo de cumprir a Lei de Cotas.

Muitos, ainda hoje, mantêm o discurso de que criar acessibilidade para o profissional, por exemplo, é muito dispendioso, ou ainda que muitas pessoas não querem deixar de lado os benefícios oferecidos pelo governo para entrar no mercado de trabalho.

Mesmo com a Lei de Cotas tendo seus “avanços”, nesses 26 anos de existência, sabemos muito bem que estamos longe do ideal, pois ainda vemos muitos deficientes sofrerem na fila do desemprego e quando conseguem alguma colocação, nem sempre a vaga que ocupa está à altura da sua qualificação profissional.

Então, no ponto de vista de muitos estudiosos do empreendedorismo, uma boa solução para o profissional com deficiência seria a criação do seu próprio negócio, pois, como diz Bruno Caetano do Sebrae, a pessoa com deficiência tem no empreendedorismo a grande oportunidade para superar suas limitações e ser inserida no mercado de trabalho.

E para começar, ter um trabalho em casa pode ser o passo inicial para ser inserido no mercado de trabalho de forma efetiva e sem dependência da lei de cotas.

2. O poder público exige, mas não dá o exemplo


Por outro lado, não podemos apenas responsabilizar as empresas, pois uma cultura somente é mudada quando existe participação e incentivo efetivo por parte do poder público com campanhas de conscientização e com o próprio governo fazendo a lição de casa.

O governo cria leis de cotas, por exemplo, mas não prepara as cidades para receber os profissionais com deficiência.

Quantos e quantos casos, temos visto de pessoas que não conseguem ter uma mobilidade de qualidade para chegar ao local de trabalho, principalmente em regiões brasileiras mais carentes de serviços públicos.

Ou, quando tem um transporte público, um pouco mais estruturado, como nos grandes centros, o desafio é enfrentar a superlotação, o despreparo de motoristas, isso sem falar dos olhares impacientes de alguns passageiros.

Mais uma vez, a possibilidade de ter um trabalho em casa se torna uma bela alternativa para fugir dessas barreiras diárias que, em grande maioria, leva ao constrangimento e a frustração.

3. Ser protagonista da própria história


O fato é que nós, pessoas com deficiência, não podemos depender apenas de leis ou eventual vontade política para sermos autoras de nossas próprias vidas ou colaboradoras de uma sociedade melhor.

Isso quer dizer que, com a criação de um negócio próprio, nós deficientes, podemos ser protagonistas do nosso próprio destino, mudando não só nossas percepções, mas também o nosso entorno, pois a verdadeira inclusão passa necessariamente pela capacidade de sermos produtivos e também geradores renda.

Muitos empreendedores pregam que além do fato de conseguir certa liberdade financeira, o empreendedorismo permite que o sonho seja transformado em realidade produtiva levando à participação plena na sociedade.

Eu, como estudante do empreendedorismo, acredito fortemente nisso, e penso que para ser empreendedor não é necessário pensar em grandes estruturas ou muito dinheiro para dar os primeiros passos.

Infelizmente a nossa cultura empreendedora é distorcida, isso quando existe. Eu sou do time daqueles que acreditam que nas atividades de um trabalho em casa já é empreendedorismo, sim.

Precisamos mudar o discurso de que só é empreendedor aquela pessoa que começa com uma empresa já baseada na burocracia.

Esse discurso e prática não permitem a realização de sonhos e muito menos a transformação de vidas.

15 Maneiras de Ganhar Dinheiro em Casa e Online para Pessoas com Deficiência.

DICA: Você pode começar a ter seu trabalho em casa ainda hoje


A construção de um negócio próprio ou mesmo um trabalho em casa permitem reais condições de mobilidade e ascensão socioeconômicas a qualquer pessoa, seja deficiente ou não.

Precisamos entender que o empreendedorismo não é um dom ou privilegio de alguns poucos, mas uma competência que pode ser desenvolvida por todo aquele que tem vontade de transformar sua realidade.

Por isso, para terminar quero te falar mais uma vez do e-book 15 Maneiras de Ganhar Dinheiro em Casa e Online para Pessoas com Deficiência.

Como expliquei no post anterior, esta segunda edição está com uma leitura mais fácil e agradável e também facilitando uma possível pesquisa que queira fazer eventualmente.

Baixando gratuitamente o e-book você encontrará 15 atividades que poderão te levar a começar um trabalho em casa.

Você aprenderá como criar um trabalho em casa, com atividade como:

Ø  Torne-Se Um Blogueiro;
Ø  Redator Freelancer De Blogs E Redes Sociais;
Ø  Franquias Virtuais;
Ø  Digitador Freelancer;
Ø  Assistente Virtual;
Ø  Entre outras.

Então, deixe o seu comentário dizendo o que pensa sobre a possibilidade de ter seu próprio negócio com um trabalho em casa e baixe grátis 15 Maneiras de Ganhar Dinheiro em Casa e Online para Pessoas com Deficiência.

Forte Abraço!

Fonte: Empreendedorismo Sem Fronteiras

Você quer sair do palco do desemprego sem ficar procurando por vagas para deficientes? Saiba como!

Você quer sair do palco do desemprego sem ficar procurando por vagas para deficientes? Saiba como!

Você quer sair do palco do desemprego sem ficar procurando por vagas para deficientes? Saiba como!


Você é daqueles que está desesperado por trabalho e fica se vendo diariamente no palco do desemprego louco atrás de vagas para deficientes?

Pois eh! Todos os dias vemos no noticiário as taxas de desemprego aumentando e gerando uma crise econômica assustadora a todos aqueles que tem como única fonte de renda o emprego formal de trabalho.

E, nós pessoas com deficiência, não estamos fora desse cenário. Muito pelo contrário! Sabemos bem como a falta de trabalho impacta fortemente nosso estilo de vida e também nossas relações sociais.

Por isso, que criei o Blog Dinheiro em Casa, pois acredito que somos plenamente capazes de sermos produtivos, sem ficar dependendo de leis de cotas para criar vagas para deficientes, pois o empreendedorismo dá condições de mobilidade e ascensão socioeconômicas a qualquer um.

Sem trabalho e sem uma renda descente, somos submetidos ao pior tipo de exclusão que pode acontecer que é aquela que nos leva a desigualdade social, que somente pode ser evitada por um trabalho capaz de nos gerar uma vida independente.

Claro que sabemos disso! Por isso, ficamos ávidos por vagas para deficientes para ver se conseguimos entrar no mercado de trabalho e sair finalmente dessa exclusão gerada por um sistema que não nos valoriza.

Mas em um país onde o desemprego está assolando grande parte da população, por que vamos ter a ilusão de que nós, você e eu, iremos ser salvos pela lei de cotas sendo os únicos a não estar no palco do desemprego?

Aqui nesse link, você poderá ver algumas alternativas que temos para não depender de políticas públicas para termos trabalho e renda e sermos efetivamente inseridos no mercado de trabalho sem ficar correndo loucamente por vagas para deficientes.

No e-book 15 Maneiras de Ganhar Dinheiro em Casa e Online para Pessoas com Deficiência, você poderá ver algumas ideias de atividades para gerar renda e ter um trabalho online e em casa.

Muitos acham que somos privilegiados


Sabe, tenho alguns amigos não-deficientes, que dizem que somos privilegiados porque quando eles vão procurar trabalho o que mais encontram, em anúncios, são os que indicam vagas para deficientes.
 
Porém, o que eles não sabem é que muitas dessas vagas nunca são devidamente preenchidas, pois elas estão na categoria do subemprego. São aquelas vagas que outros funcionários não querem ocupar ou são vagas para deficientes criadas apenas para que as empresas cumpram a lei de cotas.

Ou seja, são vagas que não levam a pessoa ao desenvolvimento pessoal e muito menos profissional.

Outra coisa que meus amigos não sabem é que muitas dessas vagas para deficientes não são devidamente preenchidas, pois muitos gestores de empresas dizem que não encontram profissionais com deficiência plenamente capacitados.

Mas, você e eu sabemos que isso não é verdade, não é mesmo?

A consultoria i.Social, por exemplo, mostrou uma pesquisa que indica que em dez anos a qualificação das pessoas com deficiência cresceu 500%. Porém, mesmo com esses dados, grande parte das empresas fecham suas portas, principalmente para aquelas pessoas que tem uma deficiência mais severa.

Muitas empresas não querem se adaptar para receber um cadeirante, não querem criar programas de capacitação para um profissional com deficiência intelectual, não querem comprar softwares para deficientes visuais. As desculpas são imensas.

Só para ter uma ideia, veja um dado do estado de São Paulo que mostra que não estão preenchidas nem a metade das vagas disponíveis pela lei de cotas. Ou seja, ainda estamos anos luz de chegar perto do razoável. E acredite! Isso acontece em todos os estados.

Você quer sair do palco do desemprego sem ficar procurando por vagas para deficientes? Saiba como!
*Fonte: Câmara Paulista Para Inclusão Da Pessoa Com Deficiência

Infelizmente isso acontece mais sistematicamente nas pequenas e médias empresas que, de acordo com o SEBRAE, são as que mais geram empregos no Brasil.

Mas, se as categorias de empresas que mais geram empregos não estão muito dispostas a preencher efetivamente as vagas para deficientes o que os deficientes em todo o país vão fazer frente a esse cenário?

  • Vamos continuar dependendo do governo para receber migalhas com os “BPC’s da vida”?
  • Vamos entrar em um “mar de lamentações” porque as empresas só oferecem vagas para deficientes que estão muito abaixo na nossa capacitação profissional?
  • Vamos deixar que continuem nos excluindo, quando temos o poder de nós mesmos mudar nossa realidade?

Ainda bem que estamos vivendo nas eras da informação, da comunicação e do conhecimento e mesmo aos trancos e barrancos conseguimos ver algumas luzes no fim do túnel.

E umas dessas luzes é a possibilidade de trabalhar em casa. Atualmente, são inúmeras as atividades que surgem todos os dias como alternativas para um trabalho e renda, a partir de casa. Você pode conferir isso neste link aqui.

O poder para gerar nossas próprias vagas para deficientes está em nossas mãos


Hoje é plenamente possível desenvolver atividades remuneradas e bem rentáveis trabalhando a partir de casa. Mesmo para os que preferem atividades mais manuais, uma hora vai precisar se envolver com as ferramentas que o mundo digital oferece, pois estar conectado à internet é fundamental para ter aumento em seus ganhos.

Muitas pessoas me perguntam como fazer para ter uma renda trabalhando a partir de casa.

Eu já havia lançado um e-book apresentando algumas maneiras de ganhar dinheiro em casa, mas por motivos de reformulação de algumas coisas no blog foi preciso tirar ele do ar, por um tempo.

Então, nesse tempo de reformulação eu resolvi fazer algumas mudanças para que ele ficasse com as informações mais à mão, sendo mais dinâmico para uma pesquisa e também mais agradável de ler.

Por essa razão, estamos lançando a 2ª edição do e-book 15 Maneiras de Ganhar Dinheiro em Casa e Online para Pessoas com Deficiência, que você pode baixar gratuitamente para se inspirar em ter uma atividade remunerada a partir de casa.

O objetivo do e-book, é justamente mostrar que somos capazes de gerar renda, ser produtivos, ser inseridos no mercado de trabalho, sem depender da bondade de empresas ou governos inspirados para gerar vagas para deficientes.

Claro que a lei de cotas é importante e tem o seu valor e benefícios, mas ela não é suficiente para atender a todos os deficientes e nem para você e eu que queremos muito mais da vida, não é mesmo?

Eu percebi que para aproveitar muito mais da vida e tudo de bom que a vida tem para oferecer, não podemos ficar dependendo de terceiros, pois eles não estão na nossa pele, não sentem a nossa dor, não andam com nossas muletas, bengalas, próteses ou cadeiras de rodas.

O nosso destino nós mesmos temos que traçar. E somos muito capazes de fazer isso.

Por isso, em era de tecnologia temos que ter a percepção que precisamos mudar nossa maneira de pensar para conseguir olhar para o lado e criar novas oportunidades, sem esperar que as coisas caiam do céu.

Somos pessoas que enfrentamos desafios todos os dias. Desenvolver um trabalho, a partir de casa, será só mais um dos desafios e, arrisco a dizer que esse é um dos menores, frente a tanto preconceito e rejeição que vez ou outra enfrentamos.

Então, conheça as 15 Maneiras de Ganhar Dinheiro em Casa e Online para Pessoas com Deficiência, e vamos construir um mundo novo para nós mesmos.

Deixe seu comentário dizendo se esse conteúdo foi bom para você e como posso te ajudar em alguma dúvida que você possa vir a ter.


Saiba as 3 razões porque você não ocupa uma das vagas para deficientes. A 3ª é a mais revoltante!

Saiba as 3 razões porque você não ocupa uma das vagas para deficientes. A 3 é a mais revoltante!

Saiba as 3 razões porque você não ocupa uma das 

vagas para deficientes.  A 3ª é a mais revoltante!


Ninguém nega que a crise instaurada no Brasil está afetando as pessoas em todos os níveis. Mas, a parcela da população que é mais atingida são as pessoas com deficiência, principalmente, no que diz respeito ao trabalho e as vagas para deficientes nas empresas.

Embora isso não seja nenhuma novidade, o fato é que as questões políticas, econômicas e de moral que estamos passando tem agravado o problema enormemente.

Todos os dias, vemos notícias de empresas que, ano após ano, continuam dando as mesmas desculpas para não efetivar as vagas para deficientes em suas unidades. Após 25 anos de sua existência, a única coisa que a lei de cotas para deficientes nas empresas nos mostra é que ainda temos um caminho árduo a ser vencido.

Por isso, resolvemos trazer um panorama do cenário das vagas para deficientes nas empresas, onde você verá:

  1. O Brasil tem 7 milhões de pessoas que poderiam ocupar as vagas para deficientes nas empresas
  2. Existem mais vagas disponíveis do que vagas ocupadas por pessoas com deficiência
  3. As vagas para deficientes poderiam ser preenchidas 9 vezes


Achou interessante o que vem por aí? Então não deixe compartilhar com seus amigos. Assim, mais pessoas poderão saber das batalhas que as pessoas com deficiência ainda passam no mercado de trabalho.

Os anos passam e nada muda


Não dá para aceitar que, após tanto tempo, ainda vemos muitas pessoas enfrentado dificuldades para ocupar as vagas para deficientes e entrar no mercado de trabalho.

É revoltante, não é mesmo?

Os motivos para esse cenário a gente já conhece bem:

ü  As empresas relutam em se adequar;
ü  As autoridades relutam em fiscalizar e punir efetivamente;
ü  Os governantes não melhoram a acessibilidade e mobilidade das cidades para receber os trabalhadores com deficiência;
ü  A sociedade em geral não está muito preocupada com essa questão.

E por aí vai!

Sabemos que a falta de oferta de vagas para deficientes nas empresas aumenta grandemente a exclusão social que assola o país desde o seu descobrimento.

Por isso, resolvemos trazer esse panorama e mostrar as 3 razões porque você não ocupa uma das vagas para deficientes.

Mas, antes queremos saber de você:

Você acredita que podemos mudar essa situação? Você acha que somos capazes de criar alternativas de como ganhar dinheiro vencendo as barreiras que impedem as pessoas de ocupar as vagas para deficientes nas empresas?

Você sabe que o objetivo do Blog Dinheiro em Casa é mostrar que existem diversos meios de todas as pessoas com deficiência serem inseridas no mercado de trabalho e de consumo.

Queremos que você faça parte desse movimento junto com a gente.

De acordo com a neurociência, o nosso cérebro aprende por repetição, por isso sugerimos que você volte a ler alguns textos que já publicamos. Assim, poderemos aumentar e desenvolver, mais e mais, esse debate. Tudo bem?


Mas então, vamos lá! Qual as 3 razões porque você não ocupa uma das vagas para deficientes?

Saiba as 3 razões porque você não ocupa uma das vagas para deficientes. A 3 é a mais revoltante!


1 - O Brasil tem 7 milhões de pessoas que poderiam ocupar as vagas para deficientes nas empresas


A Lei de Cotas 8.213/1991, diz que as empresas com 100 a 200 colaboradores precisam preencher 2% do seu quadro de funcionários com pessoas com deficiência. Para as empresas com 201 a 500 funcionários a cota estabelecida é de 3%. Empresas com 501 a 1000 funcionários a cota é de 4% e acima de 1001 funcionários a lei obriga uma cota de 5%.

Ainda de acordo com a lei, essas cotas podem ser preenchidas por pessoas reabilitadas, trabalhadores que tenham se acidentado ou que tenham alguma doença.

Englobando essa galera toda chegamos ao fabuloso número de 7 milhões de pessoas¸ que podem ocupar as vagas para deficientes nas empresas.

Isso mesmo! 7 milhões de pessoas com deficiência disponíveis para trabalhar e ocupar uma vaga no mercado de trabalho.

Talvez você esteja entre essas pessoas todas. Aí eu te pergunto: “Como é se sentir só mais um grão de areia na imensidão do deserto?”

É meio angustiante não é mesmo? Acredite, também me sinto assim.

Por isso, o Blog Dinheiro em Casa, está sempre pensando em novas alternativas. Trazendo o pensamento de que é possível ter outra ocupação sem depender única e exclusivamente da lei de cotas para ocupar uma das vagas para deficientes disponíveis nas empresas.

Concorrer com 7 milhões de pessoas não é páreo fácil, não é mesmo? Então, se permita, de coração aberto, a pensar em novas alternativas. É possível! Você é capaz!

2 - Existem mais vagas disponíveis do que vagas ocupadas por pessoas com deficiência


O Ministério do Trabalho, em 2016, apontou que apenas 49% das vagas disponíveis para pessoas com deficiência estavam ocupadas.

Ou seja, de 730.162 vagas para deficientes disponíveis no mercado, apenas 354.835 estavam efetivamente ocupadas.

Isso quer dizer que mais de 350 mil vagas para deficientes ofertadas ainda não estavam sendo distribuídas igualitariamente entre todas as pessoas que estão dispostas a trabalhar.

Por que você acha que isso acontece?

Essa é fácil responder! Não é mesmo?

Infelizmente ainda temos muitas empresas com as velhas desculpas de que não é possível fazer adaptações em suas unidades e postos de trabalho.

Não existe um movimento de conscientização dos demais funcionários para que eles recebam o trabalhador com deficiência, o que faz com que muitos se desanimem em continuar trabalhando e acabam voltando a depender de benefícios do governo.

Aí voltamos a perguntar para você: “Será que direcionando nosso olhar para outras possibilidades e, considerando alternativas de como ganhar dinheiro em casa, por exemplo, não seria uma boa saída, capaz de devolver a esperança para muitas pessoas?”

O que você acha dessa possibilidade? Deixe seu comentário dizendo se você vê alternativas diferentes de como fazer para ganhar dinheiro e não ficar preso apenas a lei de cotas e as vagas para deficientes.

3 - As vagas para deficientes disponíveis poderiam ser preenchidas 9 vezes


De repente você pergunta: “Como assim, existem mais vagas para deficientes disponíveis do que candidatos para ocupar essas vagas?”

Pois eh! Você entendeu certo!

Dentre aqueles 7 milhões de pessoas que falamos no primeiro item, existem as pessoas com deficiência severa que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC)

Essa é uma das desculpas que muitas empresas ainda usam para não preencher efetivamente as vagas para deficientes, pois elas dizem que as pessoas que recebem o auxílio não estariam dispostas a renunciar ao benefício.

Particularmente considero essa questão grave, mas isso é assunto para um outro post.

Então, seguindo!

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em um estudo, verificou que se deixar de levar em consideração as pessoas que recebem o auxílio do governo, as vagas para deficientes disponíveis nas empresas poderiam ser preenchidas 9 vezes.

Ou seja, para cada candidato existem nove vagas para deficientes disponíveis no mercado de trabalho.

Aí fica aquela interrogação: Então por que existem tantas pessoas com deficiência fora do mercado de trabalho?”

Porque, além de toda falta de vontade e preparo de algumas corporações, muitas dessas empresas também alegam que o número de pessoas com deficiência sem a qualificação necessária, para ocupar as vagas disponíveis, ainda é bem elevado.

Contudo, isso jamais poderia ser uma desculpa, pois, muito antes da lei de cotas existir, a própria CLT já estimulava as empresas a tomarem medidas para a capacitação dos seus funcionários.

Sem falar que, atualmente, presenciamos pessoas com deficiência que estão buscando uma qualificação ou mesmo a graduação nas diversas universidades que possibilitam preços acessíveis e formação à distância.

Então, o que você pode perceber é que ainda estamos longe de resolver a questão do trabalho e renda para as pessoas com deficiência, pois o que todos os especialistas dizem é que o preconceito, ainda hoje, é a maior barreira para que as vagas para deficientes sejam plenamente ocupadas.

Revoltante ver que, apesar de tantas vagas para deficientes distribuídas no mercado de trabalho, ainda muitas pessoas padecem na fila do desemprego. Não é mesmo?

Mas, e você?

Quer saber mais como você pode ganhar dinheiro em casa?

Clique aqui e veja o texto que preparamos sobre como trabalhar com blog.
*Fonte: i.Social

Trabalho PCD: Qual a verdadeira regra da Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho?

Trabalho PCD: Qual a verdadeira regra da Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho?

Trabalho PCD: Qual a verdadeira regra da Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho?


Você sabe que a missão do Blog Dinheiro em Casa é falar de temas relacionados a autonomia que nós, pessoas com deficiência, podemos ter em relação a trabalho e tudo o que ele envolve. Por isso hoje queremos levantar uma questão: Qual a verdadeira regra da Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho?

Queremos mostrar que somos capazes de ser produtivos sem ficarmos presos as amarradas da Lei de Contas. Porém, vez ou outra, vamos ter que fugir um pouco dos temas, empreendedorismo inclusivo, renda extra, negócio próprio para falar das coisas que acontecem ao nosso redor e que não podemos deixar passar batido.

Claro que não queremos ser absolutos em encerrar a questão, pois esse é um assunto complexo e que leva a vários debates e interpretações. Entretanto, não podemos deixar de arriscar e nos perguntar: “Porque a Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho ainda é uma ilusão para a maioria das pessoas? ”.

O Brasil tem passado por uma época tenebrosa de crises econômica, política e de moral. Basta ver as notícias de corrupção relatadas diariamente nos jornais, não apenas nos nacionais, mais também nos internacionais, pois a situação brasileira é tão complexa que tem chamado a atenção do mundo inteiro.

E como a nação inteira tem sido afetada, claro que ia sobrar também para a Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho.

Estamos com 14 milhões de pessoas desempregadas, no Brasil, e talvez você, que está lendo esse texto, seja uma dessas pessoas.

Se em 26 anos de existência, a Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho não vêm cumprindo plenamente sua função, seja por falta de interesse das empresas, seja pela falta de qualificação das pessoas com deficiência, seria esse o momento oportuno para aumentar a contratação de mais deficientes?

Talvez sim, já que historicamente as pessoas com deficiência no mercado de trabalho sempre tiveram salários mais baixos que os demais funcionários. Isso, a grosso modo falando, levaria as empresas a terem um custo menor nos encargos trabalhistas.


Ainda hoje, duas décadas e meia depois, a Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho permite que mais de 50% dos deficientes que poderiam trabalhar, permanecem excluídos das vagas nas empresas.

Muitas empresas, depois de tanto tempo, ainda tem a capacidade de dizer que não contratam porque não possuem espaços acessíveis para receber o deficiente cadeirante, por exemplo.

Agora você que, provavelmente esteja passando por essa situação pode pensar: “Se depois de quase 30 anos da criação da Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho muitas empresas ainda não se coçaram para mudar esse cenário, o que te faz acreditar que agora, com toda essa crise que estamos passando, as empresas vão agir efetivamente e abrir as portas para as pessoas com deficiência?”

Você tem condições de responder a essa questão?


Difícil! Não é mesmo? Nós também nos preocupamos com isso.

Com esse panorama, a única coisa que conseguimos entender e até tendo a pretensão de responder a pergunta do título desse texto, “Qual a verdadeira regra da Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho?”, arriscamos dizer que a verdadeira regra é apenas existir, assim como acontecem com milhares de leis existentes no Brasil e que nem chegaram perto de sair do papel e se tornar realidade.

É um momento que precisamos deixar a emoção de lado e olhar mais friamente para o cenário sem sonhos utópicos.

Infelizmente, ainda por muito tempo, a Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho será ineficiente para resolver a questão da inserção das pessoas com deficiência no mundo dos empregos
E já que a verdadeira regra da Lei de Cotas para deficientes no mercado de trabalho tem sido essa, TE PERGUNTO: que alternativa temos?

Você acha que podemos mudar esse cenário?

Você acha que podemos mudar essa realidade?

Nós, do Blog Dinheiro em Casa, acreditamos que temos outras alternativas: o empreendedorismo, o negócio próprio, o auto-emprego 

Se você passar a acreditar em novas alternativas também, pensando um pouco fora da caixa, como explicamos num texto que escrevemos sobre o assunto, certamente conseguirá ver novas possibilidade de trabalho.

Será que você consegue pensar em novas alternativas? Deixe seu comentário com seu pensamento a respeito.